Alfabetização antecipada é criticada por impacto no ensino infantil

A antecipação da idade prevista para que as crianças brasileiras estejam plenamente alfabetizadas em todas as escolas brasileiras, anunciada junto com a terceira versão da Base Nacional Comum Curricular (BNCC) pelo Ministério da Educação nesta quinta-feira (6), levantou um debate sobre como o Brasil deve formar seus estudantes na primeira infância. Até a segunda versão da Base, a idade considerada “certa” para a alfabetização plena era por volta dos oito anos, durante o 3º ano do ensino fundamental. Na terceira versão, esse cronograma foi antecipado para os sete anos, quando as crianças estão matriculadas no 2º ano do fundamental.

A mudança vai exigir mudanças em pelo menos 146 mil escolas públicas, onde estudam 7,5 milhões de alunos de 6 a 8 anos, além das pré-escolas, para alunos de 4 e 5 anos. Veja os principais pontos sobre o assunto:

  • A tendência de antecipar a alfabetização começou nas escolas particulares depois de 2010, quando o ensino fundamental passou de oito para nove anos de duração, e o antigo “pré” se tornou o 1º ano do fundamental;
  • Desde 2013, as escolas públicas brasileiras seguem o Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa (Pnaic), uma iniciativa para estimular que as crianças estejam plenamente alfabetizadas aos 8 anos, no 3º do fundamental;
  • Mesmo assim, não é isso o que acontece na realidade: dados da Avaliação Nacional de Alfabetização (ANA) de 2014 mostram que um quinto dos alunos da rede pública chegou ao 4º ano do fundamental sem aprender a ler adequadamente;
  • Além disso, estudos indicam que o processo de alfabetização é longo e, para ser concluído aos sete anos, precisa começar com as crianças mais novas, que ainda não estão preparadas para isso;
  • Está em jogo, segundo especialistas, o embate entre usar os anos do ensino infantil para atividades lúdicas que estimulam os pequenos a reconhecerem sua identidade e se interessarem em aprender sobre o mundo, ou para estimular o aprendizado conteudista, visto por muitos adultos como sinônimo de sucesso profissional.

Possíveis consequências

A psicopedagoga Cynthia Wood, especializada em psicoterapia da criança e adolescente e em neuropsicologia, explica que é possível alfabetizar algumas crianças até os sete anos de idade, mas nem todas se encaixam nessa situação. De acordo com ela, a opção das escolas particulares em usar os dois primeiros anos do novo ensino fundamental para a alfabetização provoca um “descompasso” e não é o cenário ideal.

Ler mais:  Soteropolitanos participam da 1ª Caminhada Viva Saúde no Dique do Tororó

“As crianças só estão ‘neuropsicologicamente’ formadas para a alfabetização aos sete anos”, explica ela. Já a criança de seis anos “ainda precisa da educação infantil nessa fase para desenvolver a coordenação motora e as habilidades sociais”, afirma Cynthia. “Sendo assim, ela não consegue se alfabetizar, justamente por não ter condições de aprender a ler e a escrever.”

Cynthia diz que entre as consequências registradas pela antecipação da alfabetização está o aumento de crianças de seis anos encaminhadas aos consultórios de psicopedagogia, porque não conseguiam acompanhar a mudança. A questão demanda, das escolas, atenção redobrada para reconhecer as dificuldades de aprendizagem e corrigi-las antes que atrapalhem o resto do percurso escolar. “Se isso [a alfabetização aos sete anos] não ocorrer, é preciso reter o aluno e buscar solucionar a situação”, diz a psicopedagoga.

Luciana Barros de Almeida, presidente da Associação Brasileira de Psicopedagogia (ABPp), reitera que, embora a fase de alfabetização infantil seja um ciclo que começa aos seis anos e termina aos oito, seu “ápice” ocorre nos seis e sete anos de idade. Porém, ela diz que “condições motoras e emocionais têm um desenvolvimento gradual”, e que as crianças podem apresentar diferenças neste processo, o que exige o envolvimento de perto da equipe escolar e dos pais.

Fonte – G1

Compartilhe!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


  • Função: Babá
  • Cidade: São Bernardo do Campo
  • Salário: R$1200
  • Empresa: (Confidencial)
Candidatar

  • Função: Promotor de Vendas
  • Cidade: Florianópolis
  • Salário: A combinar
  • Empresa: Boulevard Monde
Candidatar

  • Função: Ajudante de Serviços Gerais
  • Cidade: Brasília
  • Salário: R$1000
  • Empresa: Rei Do Pão De Queijo
Candidatar

  • Função: Vendedor Externo
  • Cidade: Londrina
  • Salário: R$5000
  • Empresa: (Confidencial)
Candidatar

  • Função: Montador de Acessórios
  • Cidade: Goiânia
  • Salário: A combinar
  • Empresa: (Confidencial)
Candidatar

  • Função: Tosador de Animais Domésticos
  • Cidade: Salvador
  • Salário: R$1000
  • Empresa: Izailda Rosa De Gois
Candidatar

  • Função: Mecânico de Caminhão
  • Cidade: Formosa
  • Salário: R$300
  • Empresa: Roda Peças
Candidatar

  • Função: Fisioterapeuta
  • Cidade: Belo Horizonte
  • Salário: R$1200
  • Empresa: Horta Duarte Estetica
Candidatar

  • Função: Doméstica
  • Cidade: Brasília
  • Salário: R$1300
  • Empresa: Particular
Candidatar

  • Função: Doméstica
  • Cidade: Porto Alegre
  • Salário: R$1200
  • Empresa: (Confidencial)
Candidatar

Powered by SINE
Pular para a barra de ferramentas