Bahia faz 2×0 no Vitória e está na final da Copa do Nordeste

Bahia faz 2×0 no Vitória e está na final da Copa do Nordeste

O clima de guerra criado pela diretoria tricolor para o Ba-Vi deste domingo (30), e que não foi rebatido pelos rubro-negros, acabou dando certo de uma maneira ou de outra. Os atletas de Guto Ferreira, contagiados por mais de 34 mil torcedores na Fonte Nova, dominaram os rivais e conquistaram a vaga na final da Copa do Nordeste após o triunfo por 2×0, com gols de Allione e Régis.

Tentando ser discreto desde o clássico de ida, quando venceu por 2×1 em jogo no Barradão marcado por erros da arbitragem, o Vitória se mostrou num nível de atenção e disposição muito pequeno para quem estava numa semifinal de campeonato contra o seu maior rival.

Do lado do Bahia, toda a “pilha” criada nos dias que antecederam o Ba-Vi parece ter atingido em cheio os jogadores. Com enorme garra desde o apito inicial, o tricolor dominou a posse de bola, mas se mostrou muito afoito para criar oportunidades nos primeiros minutos de jogo.

Tanto é que a primeira oportunidade mais envolvente do Esquadrão surgiu apenas com 31 minutos de bola rolando. Numa bela triangulação na entrada da área, Zé Rafael achou Edigar Junio, que chutou rasteiro, colocado, mas Fernando Miguel fez linda defesa.

Até então, o nervosismo do Bahia fez o time acelerar todas as jogadas, distribuir lançamentos equivocados e tentar driblar adversários quando não era tão necessário assim. Por isso, as chances surgiam mais na bola parada. Aos 34, Régis cobrou falta da intermediária na direção da área e a bola passou por todo mundo, inclusive por Edson, que fechava no segundo pau.

Apesar do clima de guerra que infelizmente foi criado, não sobraram tantos pontapés assim ou faltas duras na etapa inicial. O Vitória se mostrava muito longe da pilha do rival, até mesmo disperso em alguns lances. Parecia inebriado pela atmosfera criada pela multidão tricolor, que tomou a Fonte Nova e cantou desde o início. Pronto para a torcida, que neste caso realmente funcionou como um 12º jogador.

Em meio a um jogo tão nervoso, um toque de categoria e lucidez fez toda a diferença. E ele veio de um argentino que vem se consolidando como o ponto mais forte do Bahia no ataque. Aos 37, o tricolor roubou a bola no ataque e encaixou um contragolpe com Régis, que abriu na direita, para Allione. Com dois toques, ele tirou Bruno Ramires do lance e emendou com um chute colocado no ângulo de Fernando Miguel.

A etapa final começou com o Vitória tendo um lampejo frustrado de reação e a sua melhor chance. Aos 4, Euller cobrou falta da direita na direção da área, Jean saiu muito mal do gol, não conseguiu cortar e Alan Costa escorou para o meio; David, no segundo pau, não conseguiu marcar sem goleiro.

Do outro lado, Allione continuou esbanjando qualidade. Aos 6, o argentino tocou de calcanhar na direita para Eduardo, que entrou livre na área; em vez de cruzar para vários companheiros que esperavam livres, o lateral preferiu chutar direto para outra bela defesa de Miguel. Três minutos foi a vez do meia receber de Régis na área e chutar por cima do gol.

Mesmo precisando apenas de um gol para empatar e conseguir a vaga na final, o Vitória continuou atônito. O Bahia, por outro lado, conseguia transformar a pilha em domínio e, finalmente, em gols. Aos 14, Eduardo disparou pela direita, recebeu de Zé Rafael e cruzou para Régis, que passou com habilidade por Kanu e chutou na saída de Fernando Miguel.

Na comemoração, Régis deu um presente para o Leão: foi comemorar com a torcida e levou o seu segundo amarelo.  Poderia gerar esperança para o Vitória se Patric, no minuto seguinte, não cometesse uma estupidez. Primeiro, derrubou Edigar Junio num lance de contra-ataque quando era o último homem antes do gol. Levou o cartão amarelo. Se merecia o vermelho ali e não recebeu, na sequência, o lateral empurrou Armero numa discussão e acabou expulso.

O restante do jogo fluiu com a torcida tricolor pedindo mais um, mas com o time em campo sabendo que o dever estava cumprido. O rubro-negro, que mesmo assim precisava de um gol apenas para levar a decisão para os pênaltis, nada fez. Não houve brio no ataque, raça, nada. O Vitória terá que brigar pelo revide, então, nas finais do Campeonato Baiano, a partir desta quarta-feira (3).

Na final do Nordestão o tricolor enfrentará o Santa Cruz ou o Sport, a partir da quarta-feira (17). Os rivais pernambucanos fazem o jogo de volta quarta-feira (3), às 21h45, no Arruda. o O Santa venceu o primeiro duelo por 2×1 na Ilha do Retiro.

 Fonte – Correio da Bahia

Ver mais