RADIO WEB DE OURIÇANGAS

Player HTML5

Trump prepara a ordem para a expulsão maciça de imigrantes

Trump prepara a ordem para a expulsão maciça de imigrantes

Donald Trump prepara seu novo ataque à imigração. Depois do baque judicial com o veto a sete países muçulmanos, o presidente dos Estados Unidos ordenou a elaboração de um vasto plano de ação contra os imigrantes em situação irregular. Acelerar e ampliar as expulsões imediatas, repatriar automaticamente os mexicanos flagrados na fronteira, recrutar milhares de novos agentes e até processar judicialmente os pais que trouxerem seus filhos fazem parte, segundo as minutas conhecidas, desse agressivo projeto. Com esse passo, Trump joga mais uma pá sobre o legado do Obama e poderá cumprir uma de suas mais desejadas e sombrias promessas: a expulsão maciça de imigrantes.

Os Estados Unidos, um país que cresceu com a imigração, estão prontos para bater a porta na cara do elo mais fraco. Se a política de Obama se concentrou na perseguição e expulsão dos imigrantes que tivessem cometido crimes graves, agora se prepara a abertura da temporada de caça a todos os que estiverem em situação irregular. Onze milhões de pessoas, metade delas vinda do México, podem começar a tremer.

A magnitude do golpe será conhecida em poucos dias. O presidente anunciou que divulgará sua nova ordem nesta semana. Nesse ínterim, Washington está em polvorosa. As minutas circulam por toda parte. Algumas foram desmentidas categoricamente, mas outras, como as publicadas no McClatchy e no The Washington Post, foram reconhecidas como documentos de trabalho. Nestas últimas, ainda que estejam sujeitas a mudanças, aparece o verdadeiro rosto do Governo Trump.

Essas redações preliminares indicam que a ofensiva será maciça. Para reforçar as agências dedicadas ao controle da imigração, o texto determina a contratação de 15.000 novos agentes, aumenta as competências policiais e recomenda uma maior colaboração com as forças locais.

Para a operatividade desse exército, o departamento de Segurança Nacional, nas mãos do general aposentado do Corpo de Fuzileiros Navais John F. Kelly, pretende aliviar as barreiras legais, em especial no capítulo mais executivo: as deportações imediatas. Até agora essa modalidade de expulsão se aplicava aos imigrantes que tivessem passado menos de duas semanas no país e estivessem a não mais de 160 quilômetros da fronteira. Mas as minutas indicam que se pretende anular os limites geográficos e estender sua aplicação a todos aqueles que estejam até dois anos em território americano. A esse enorme salto se acrescenta a repatriação automática dos imigrantes mexicanos flagrados na fronteira e o processo judicial dos pais que tiverem pago redes de traficantes para trazer seus filhos.

Fora desses planos fica o programa de Obama destinado a proteger os dreamers, os menores escolarizados que chegaram sem documentação aos Estados Unidos. Um sistema que permitiu outorgar permissão de trabalho a 750.000 imigrantes e que o próprio Trump reconheceu que será complicado liquidar. “A situação desses menores é muito difícil para mim, muito… porque eu amo essas crianças; eu mesmo tenho filhos e netos, e acho muito, muito difícil fazer o que as leis mandam. E todos sabem que a lei é dura”, disse no sábado durante seu comício na Flórida.

Mas além dos dreamers, o horizonte se escurece para o resto dos imigrantes. Trump sabe que sua base eleitoral, de maioria branca e operária, os vê como competidores. Nas outrora poderosas zonas industriais, agora flageladas pelo desemprego e pelos salários baixos, o discurso do inimigo mexicano calou fundo. E o presidente, consciente de seu mau momento nas pesquisas, busca um golpe de efeito contra os migrantes para manter o apoio dos seus simpatizantes.

“Teremos fronteiras fortes outra vez. Os criminosos, as pessoas más, vão para a prisão. Mas a maioria vai embora daqui. Vamos mandá-los para o lugar de onde vieram!”, prometeu Trump a suas bases. As regras para levar adiante esse plano estão muito perto de vir à luz. Serão divulgada nesta semana. Por enquanto, já se escutam os sinos do ódio.

 
Fonte – El País

Ver mais

Designed using Magazine Hoot Premium. Powered by WordPress.